Ariquemes AGORA
Notícias

Leia as principais notícias de Rondônia

Duas semanas após o crime, bebê arrancado da barriga da mãe segue internado

Por Por Mayara Subtil, G1 RO — Porto Velho - Postado por Rosa Bettero - SRTE/RO-1194, 06/11/2019 18h36

Aos leitores, ler com atenção!
Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

Mãe e filho foram encontrados mortos dentro de loteamento em Porto Velho (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)
Mãe e filho foram encontrados mortos dentro de loteamento em Porto Velho - Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

Duas semanas após o crime, bebê arrancado da barriga da mãe segue internado em Porto Velho
Recém-nascido seria entregue a uma mulher que fingia gravidez; ela está presa. Gestante não resistiu e suspeita pelo assassinato em um loteamento é uma menina, de 13 anos, irmã da vítima.

Duas semanas depois do assassinato de uma gestante em um loteamento de Porto Velho, o bebê que foi arrancado com uma faca da barriga da mãe durante o crime continua internado no Hospital de Base da capital. A informação foi confirmada ao G1 pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) e pela Justiça nesta quarta-feira (6).

O recém-nascido é filho de Fabiana Pires Batista, então de 23 anos. O menino Gustavo Henrique, de 7 anos, também filho da vítima, foi morto na mesma região.

Cinco pessoas suspeitas pelo duplo homicídio foram encontradas pela polícia: a irmã e tia das vítimas, de 13 anos, três adolescentes e Cátia Barros Rabelo, mulher suspeita de tentar ficar com o bebê e fingir estar grávida de um garimpeiro.

A menina e os adolescentes continuam apreendidos e Cátia está presa em uma unidade prisional feminina de Porto Velho.

De acordo com a Semusa, o recém-nascido segue em observação médica no berçário e ainda está "aguardando ganhar peso" para uma possível alta. O estado de saúde é estável. A Semusa não repassou uma previsão de alta do paciente, nem mesmo qual o peso atual do bebê.

A juíza Sandra Merenda, da Vara da Infância e da Juventude, informou em entrevista à Rede Amazônica no fim de outubro que há chances do bebê ser entregue ao Lar do Bebê, em Porto Velho, caso receba alta.

Familiares do bebê, incluindo o pai, o procuraram na unidade hospitalar. Segundo a Delegacia de Homicídios de Porto Velho, que conduz as investigações, o homem prestou depoimento à polícia, pois a suspeita de 13 anos, ao ser ouvida, alegou que assassinou Fabiana porque teria sido estuprada por ele. Conforme a polícia, o pai do bebê negou o crime, reiterando que não convivia com Fabiana e com a menina.

Além dos cinco suspeitos identificados, a Polícia Civil informou que com a hipótese de mais pessoas envolvidas no crime e segue com as investigações.

Mulher queria o bebê
Segundo as investigações, o crime aconteceu no Loteamento Tropical, Zona Sul de Porto Velho. A suspeita de 13 anos, irmã da vítima, teria matado Fabiana e retirado a criança do útero usando uma faca. Na ocasião, a menina ainda teria empurrado o sobrinho, de 7 anos, dentro de um lago. Ele morreu afogado.

A mulher suspeita de tentar ficar com o bebê arrancado da barriga de Fabiana foi presa na tarde de 23 de outubro. Cátia Barros Rabelo, de 34 anos, foi ouvida por cerca de 5 horas na Delegacia de Homicídios da capital antes de ser detida preventivamente.

Ela se soma ao grupo suspeito de assassinar Fabiana e o menino Gustavo Henrique. "A Cátia está sendo presa pela participação na trama de homicídio", disse a delegada que conduz as investigações, Leisaloma Carvalho, em coletiva de imprensa.

Conforme a delegada, Cátia teria não apenas participado do crime, como repassado aos filhos e aos outros envolvidos os "instrumentos" para execução do plano. Disse ainda que, assim como os menores, ela não demonstrou arrependimento. Até a última atualização desta reportagem, o advogado de Cátia não havia sido localizado.


Relembre a cronologia do caso:
20 de outubro: O corpo de Gustavo Henrique é encontrado boiando no lago de um loteamento de Porto Velho. Não havia confirmação se suposto afogamento da criança foi oriundo de acidente ou homicídio;
21 de outubro: Fabiana é encontrada morta no mesmo local onde o filho de 7 anos foi achado sem vida. O corpo da mulher estava parcialmente enterrado e apresentava ferimentos na cabeça, tórax e barriga. O corpo foi achado pelo pai de Gustavo. A mulher estava grávida de 8 meses e teve o bebê arrancado da barriga durante o assassinato. O recém-nascido está internado em estado estável no Hospital de Base de Porto Velho;
22 de outubro: Uma menina de 13 anos é apreendida suspeita de envolvimento nos assassinatos. Ela é irmã de Fabiana e tia de Gustavo. Um adolescente, de 15 anos, também foi apreendido. Ele e a menina foram os supostos executores do assassinato. O que se sabe é que o bebê foi arrancado por eles para ser entregue a uma mulher que fingia estar grávida de um garimpeiro. Ela é mãe do adolescente de 15 anos;
23 de outubro: A polícia confirma que outros dois adolescentes foram apreendidos por suposto envolvimento no mesmo crime, totalizando quatro menores. Todos estão internados. Três deles são filhos de Cátia Barros Rabelo, identificada como a mulher que fingia a gravidez. Ela, que foi presa, é suspeita de participar do crime e entregar os instrumentos aos menores para execução. A mulher indica a participação de mais um adolescente no crime, o que ainda será apurado pela delegada que investiga o caso.

 

Duas semanas após o crime, bebê arrancado da barriga da mãe segue internado
Internas - Acima (Medium Rectangle) - Tamanho: 300x250
Rosa Bettero - SRTE/RO-1194  e João Luiz de Jesus

Festa Halloween na V8 em Ariquemes