CASO TAINÁ - Cunhado de Tainá é solto e mãe e irmã dela serão responsabilizadas por mentirem à políc - Ariquemes AGORA - A notícia no seu tempo | Ariquemes, Rondônia, Polícia, Caso, Tainá
Ariquemes AGORA
Notícias

Leia as principais notícias de Rondônia

CASO TAINÁ - Cunhado de Tainá é solto e mãe e irmã dela serão responsabilizadas por mentirem à políc

Por Por Rinaldo Moreira, G1 Ariquemes e Vale do Jamari, 24/01/2018 21h03

Aos leitores, ler com atenção!
Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

 (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução

Cunhado de Tainá é solto e mãe e irmã dela serão responsabilizadas por mentirem à polícia de RO
Polícia descartou participação do cunhado no desaparecimento. Mãe e irmã da jovem confessaram que colocaram chip com o número da grávida no celular dele sem permissão.

O cunhado da grávida desaparecida Tainá Carina de Lima Mendonça foi solto na terça-feira (23) após ser preso pela suspeita de utilizar um aplicativo com o número da jovem no celular dele. Nesta quarta-feira (24), a Polícia Civil de Ariquemes (RO), no Vale do Jamari, divulgou que ele ganhou liberdade após a mãe e a irmã de Tainá confessarem que colocaram o chip no celular do cunhado da grávida sem o conhecimento dele.

Parto de jovem está marcado para 14 de novembro (Foto: Arquivo Pessoal)
Parto de jovem está marcado para 14 de novembro (Foto: Arquivo Pessoal)

e acordo com o delegado que está conduzindo as investigações do caso, Vinícius Lucena, a prisão do cunhado foi requerida devido aos depoimentos da mãe de Tainá e da confirmação da operadora de que o número da desaparecida estava no aparelho do cunhado dela.

O rapaz sempre alegou que não tinha conhecimento do uso desse aplicativo no celular dele. O advogado que o representa conseguiu apresentar indícios da inocência do cliente e com os depoimentos da mãe, da irmã da jovem e da funcionária da loja de telefonia, a polícia teve certeza do não envolvimento do cunhado.

"Compareceu aqui na sexta-feira a mãe da Tainá e a esposa do investigado, as quais pra nossa surpresa, afirmaram que elas mesmas tiveram responsabilidade sobre isso. Fizeram a habilitação de um chip no número da Tainá mesmo após o desaparecimento dela, mesmo dando entrevista a canais de imprensa dizendo que o WhatsApp da filha estava ativo. Ou seja, elas divulgaram essa informação ciente que elas mesmas estavam com esse aplicativo ativo no telefone do investigado sem que ele de fato tivesse conhecimento", explicou o delegado.

Delegado Vinícius Lucena em Ariquemes, RO (Foto: Diêgo Holanda/G1)
Delegado Vinícius Lucena em Ariquemes, RO (Foto: Diêgo Holanda/G1)

Lucena afirmou ao G1 que a atitude das parentes da grávida atrapalhou as investigações e elas serão responsabilizadas pelas falsas informações prestadas à polícia e o uso ilegal do documento da desaparecida.

CASO TAINÁ-Cunhado de grávida desaparecida é preso usando o número de telefone de Tainá no aparelho.

http://www.ariquemesagora.com.br/noticia/2018/01/18/caso-tain-ariquemes-policia-civil-prende-cunhado-de-taina-que-se-torna-suspeito.html

"Todas as providências vão ser adotadas, é algo muito grave. Tumultuou a investigação, uma vez que as próprias, desde o início, em nenhum momento falaram a respeito disso com a polícia do que tinham feito e propagaram pela imprensa que a filha estaria usando o WhatasApp mesmo após do desaparecimento. Faltaram com a verdade não só com a polícia como com a sociedade", declarou.

A dona da loja de telefonia onde as mulheres conseguiram cadastrar o chip com o número de Tainá para depois colocar no celular do suspeito inocentado também foi ouvida e disse que praticou o ato ilegal porque queria ajudar a família.

O G1 tentou contato com a mãe e a irmã de Tainá, mas elas não atenderam as ligações. O advogado do ex-suspeito disse que a Justiça tomou a decisão certa ao reconhecer a inocência do cliente.

Caso
Tainá Carina de Lima Mendonça desapareceu no dia 27 de outubro de 2017, após sair de casa para cobrar o pagamento de pensão pelo ex-marido dela. No fim da tarde do mesmo dia, a motocicleta da jovem foi encontrada abandonada numa estrada rural próximo à cidade de Monte Negro. O parto dela estava marcado para o dia 14 de novembro.

No dia 1º de novembro a Polícia Civil começou a tratar o caso como homicídio e buscas foram realizadas em propriedades rurais da região.

No dia 7 de novembro, familiares da jovem fizeram um protesto que chegou a fechar por algumas horas a BR-421, que liga Ariquemes a Monte Negro.

Em diversas entrevistas e vídeos, a mãe da jovem sempre afirmou que acreditava na possibilidade de encontrar a filha viva. Ela chegou a reconhecer uma calcinha e um batom de Tainá encontrados num suposto cativeiro, mas a polícia não confirmou que os objetos eram da grávida.

 

Internas - Acima (Medium Rectangle) - Tamanho: 300x250
Ricardo Carvalho

Noite do Rubi 2018 - OAB Subseção Ariquemes - Rondônia